Produções dos pesquisadores do LaHorTA

 

 

CAVALHEIRO, W. C. S. ; Maia, Emanuel ; EVARISTO, A. P. ; SOARES, G. S. ; GHILARDI, D. S. ; MODRO, A. F. H. . ETNOCONHECIMENTO DE UM SISTEMA AGROFLORESTAL DE POLICULTIVO COMERCIAL NA ZONA DA MATA RONDONIENSE. In: I CONGRESSO FLORESTAL DE MATO GROSSO, 2015, Sinop. Anais do I Congresso Florestal de Mato Grosso, 2015. p. MAN-046.

 

Os sistemas agroflorestais recebem destaque especial entre os agroecossistemas agroecológicos destinados às regiões de floresta tropical, visto que são os que mais se aproximam dos processos ecológicos naturais. Portanto, objetivou-se conhecer a biomassa do componente arbóreo de um sistema agroflorestal de cultivo do cupuaçu na Zona da Mata Rondoniense. Estimou-se a biomassa e a quantidade de carbono presente no componente arbóreo e de palmeiras pelo método indireto. O sistema apresentou o acumulo de 90,13 Mg C por ha. Cerca de 90% da biomassa está contida no estrato superior. Observa-se que é necessário realizar o manejo do componente arbóreo para manter as elevadas taxas de acumulo de carbono.

Para obter o trabalho, acese: http://www.aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/cad/article/view/20028

Wanderson Cleiton Schmidt Cavalheiro, Emanuel Fernando Maio de Souza, André de Paulo Evaristo, Anna Frida Hatsue Modro, João Fidelis Brito Junior

 

As agroflorestas na Amazônia são manejadas tradicionalmente pelos agricultores e normalmente apresentam-se muito diversificados, mesmo quando apresentam uma espécie de cultivo comercial. Deste modo, objetivou-se neste trabalho conhecer aspectos etnoecológicos do manejo de dois sistemas agroflorestais (SAF) da Zona da Mata Rondoniense. Para o estudo foram utilizadas abordagens participativas. Os sistemas são compostos por espécies frutíferas e essências florestais, sendo o cupuaçuzeiro, o paricá e a castanha-do-Brasil as espécies mais utilizadas na composição dos agroecossistemas. Os SAF são constituídos e manejados de forma tradicional e as atividades executadas manualmente. O aumento da produção e processamento dos produtos é indicado como fonte de aspirações pelo agricultor. Foram apresentados como indicadores para implantação do SAF a garantia da segurança alimentar e conservação do meio ambiente.

Para obter o trabalho, acese: http://www.aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/cad/article/view/18401

Anna Frida Hatsue Modro, Alexandre Zandonadi Meneguelli, Sylviane Beck Ribeiro, Emanuel Maia, Gilmar Alves Lima-Júnior

Objetivou-se demonstrar a relevância que o conhecimento tradicional de plantas medicinais tem para a sustentabilidade dos recursos naturais das populações tradicionais na Amazônia, ressaltando a inserção do cultivo de plantas medicinais como uma atividade que atende as dimensões social, econômica, ecológica, ambiental, politica, cultural e territorial, além de analisar a importância da legislação para o reconhecimento dos saberes tradicionais

Para obter o trabalho, acese: http://www.aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/cad/article/view/19587

 

Mirian Gusmão Gusmão, Emanuel Maia Maia, Ederson Santana Santana, Jakeline Fernandes Fernandes, Joziany Moura Moura
 
Conhecer a composição arbórea de sistemas agroflorestais (SAF) é importante para auxiliar no planejamento e instalação de novas áreas. Assim, este trabalho objetivou caracterizar a composição florística e fitossociológica da vegetação arbórea em um SAF na Zona da Mata rondoniense. O SAF foi implantado há aproximadamente 25 anos, sem espaçamento padronizado, numa área aproximada de um ha. Foram avaliados os seguintes parâmetros fitossociológicos: densidade, dominância, índice de cobertura e posição sociológica. Foram amostrados 1174 indivíduos, compreendendo 117 espécies. As espécies com maior valor de cobertura foram Theobrama grandiflorum (cupuaçu), Hevea brasiliensis (seringueira), Apuleia leiocarpa (garapa), Jacaranda copaia (caroba) e as que apresentaram melhor distribuição entre os estratos foram a seringueira, a garapa e a caroba. Pode-se concluir que a área apresenta alto índice de regeneração e uma composição bem próxima da floresta amazônica.
Anna Frida Hatsue Modro, Scheila Cristina Biazatti, Ana Paula Dalazen, Marcelo Lucian Ferronato, Emanuel Maia

Resumo

Objetivou-se conhecer o potencial apícola de espécies florestais utilizadas na recuperação de áreas degradadas na Zona da Mata Rondoniense. A maioria das espécies florestais utilizadas (70,27%) apresenta interação com as abelhas, seja por disponibilizar recursos como pólen e néctar, ou na polinização, sendo Fabaceae a família mais representativa. Estudos sobre o potencial de espécies florestais para apicultura apresentam importância significativa, já que a temática ainda não dispõe de muitas informações, e o uso simultâneo das atividades florestais e apícolas podem incentivar práticas agroecológicas.

Para obter o trabalho, acesse: